quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Chip no corpo... Mito ou verdade???


Com certeza você já deve ter ouvido falar que no final dos tempos (Apocalipse), as pessoas seriam obrigadas a usar uma forma de marca que as identificassem como parte da sociedade que aceita o regime imposto pelo anti-cristo. Sem essa marca as pessoas não poderão comer, comprar produtos de higiene básicos, vender quaisquer tipo de mercadoria, ou seja, estarão excluídos da sociedade. Além disso aqueles que se negarem a adorar a besta, e possuir sua marca serão mortos.
Parece até mentira, mas vamos ver o que a bíblia nos diz sobre isso...
Apocalipse 13; 16-17 “E fez que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e escravos, lhes fosse posto um sinal na mão direita, ou na testa, para que ninguém pudesse comprar ou vender, senão aquele que tivesse o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome.”
Apocalipse 20; 4 “Vi também tronos, e aos que se assentaram sobre eles foi-lhes dado o poder de julgar. E vi as almas daqueles que foram degolados por causa do testemunho de Jesus e pela palavra de Deus, e que não adoraram a besta, nem a sua imagem, e não receberam o sinal na testa nem nas mãos. Reviveram, e reinaram com Cristo durante mil anos.”

Por mais absurdo e louco que tudo isso pode parecer, já está no nosso meio algo muito parecido com o que a bíblia nos alerta a milhares de anos.
Uma pesquisa feita pela Associação Alemã de Empresas, Informação, Telecomunicação, e Novas Mídias (Bitkon), mostra que 23% dos alemães não vêem problema em possuir um microchip inserido em seu corpo, desde que isso os traga benefícios.
O levantamento divulgado na feira de Tecnologia, Cebit, foi realizado com cerca de mil pessoas de diferentes cidades da Alemanha.
A pesquisa tem como objetivo mostrar que a divisão entre vida real e vida digital é cada vez mais estreita. O tema daCebit desse ano é: "Conected Worlds" (mundos conectados).
Pesquisa semelhante feita no final de 2006, na Inglaterra, mostrava que um em cada vinte adultos se dizia disposto a usar um microchip no corpo para evitar o uso de cartões de crédito ou dinheiro vivo nas compras.
O estudo, promovido pelo Instituto Britânico para o Estudo do Setor da Alimentação (IGD), mostrava ainda que a proporção aumentava para um em dez quando o público entrevistado era composto por adolescentes.
E ai, curtiu a matéria?? Tem alguma opinião sobre o assunto?? Debata conosco deixando seu comentário e nos ajudando a divulgar esse blog.
Para mais novidades siga no twitter @reenemiguell e @PapoCb .

5 comentários:

  1. Muito bom galera, parabens e entrem no gracaobleia.com FUII!!!!

    ResponderExcluir
  2. Honestamente, não creio que haja ligação direta. Tal tecnologia pode, é claro, ser utilizada na implantação da marca, porém, dizer que ambas estão diretamente ligadas é um equívoco (sei que o Renê não escreveu isso em momento algum, mas me adianto a alguns que porventura possam se sentir tentados a pensar assim).
    Lembro-me ainda de quando alguns evangélicos (uso o termo para indicar a religião, não a fé ou a postura de vida dessas pessoas) disseram que o computador era a marca da besta, pois o monitor era a marca na testa e o mouse a marca na mão. (!!!) Prefiro não tecer comentários sobre o assunto para não pecar duas vezes...
    Qualquer tecnologia nova, assim como qualquer mudança no contexto mundial são vistas, declaradas e profetadas (sim, profetadas, porque profetizadas por Deus é que não são) como a marca da Besta ou o próprio Anticristo (O Lula já foi "O Anticristo", assim como o Obama, o Bin Laden, Hitler etc, etc,etc... Isso sem falar dos propagados supostos planos diabolicamente maléficos de organizações como Mercosul, UE, Alca, ONU e outras mais). Ou seja, um pouco de razão e inteligência não fazem mal a ninguém!
    Voltando, com certeza essa pode ser uma tecnologia que facilite muito a implantação do sistema da marca, porém é bom ressaltar:
    1. A marca será colocada numa manifestação clara de adoração ao chifrudinho, numa atitude voluntária. Talvez alguns se "voluntariem forçadamente", mas os Santos se negarão a fazê-lo;
    2. Endossando o item anterior, a adoração é voluntária. Sempre. Não há como adorar algo sem saber o que se está fazendo, desde que se atenha à Palavra de Deus e se tenha discernimento, o que nos é dado pelo Espiríto;
    3. "Basta a cada dia o seu próprio mal." Tem uma coleção de escritos, famosinha até, que fala isso. Se não me engano, em Mateus 6. (Me perdoem se errei a referência, mas prefiro aprender a mensagem que um texto nos transmite a decorar textos inteiros com referência e não saber o que querem dizer). Creio que temos que nos ater ao que há na Bíblia, e ela não detalha nada em relação a isso. Se viermos a viver essa era, nos será dado o discernimento para saber o que fazer. Se não, nos mantenhamos apenas no que Deus nos disse, conjecturar não levará a nada, a não ser a mais hipóteses ora intangíveis.
    Espero não ter ofendido ninguém.
    Em Cristo,
    Rubens.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. e realmente toda essa historia para muito vai soar como uma coisa muito simples muito cuidado onde vc tem buscado seu discernimento

      Excluir
  3. Cara curti muito o que o Rubens falou, e na maioria de sua opinião eu concordo. O chip pode sim vir a ser um método usado pelo "chifrudinho" para que num futuro a marca da besta seja implantada, podendo também sim ser usado pelo inimigo para nos persuadir a usar algo que traga a adoração a ele e também faça com que percamos a salvação com o título de ser algo que apenas nos ajude, nos traga facilidade. Acho que o chip em si é algo muito semelhante com o que a bíblia nos trás como a marca da besta, e que não é feito de analogias como o exemplo citado pelo Rubens da tela do computador e do mouse.
    Antes de tudo devemos estar atentos ao que a palavra diz, e espertos para aquilo que o inimigo pode criar para nos enganar.... ATENÇÃO essa deve ser uma das palavras que nos ajude na caminhada da vida.

    ResponderExcluir
  4. Concordo em partes com o Renê também! Temos de estar atentos às armadilhas do Inimigo, que é sábio e ardiloso. Porém, penso que temos que mirar armadilhas presentes, do nosso tempo. Não é errado, porém não nos acrescentará nada, ficarmos pensando no que está no porvir. Talvez até nos atrapalhe a focar em armadilhas atuais, como a banalização do "mercado gospel" ou igrejas tidas como cristãs e/ou evangélicas mas que são profunda e preocupantemente heréticas em relação ao que está escrito na Bíblia, por exemplo.
    Partirei agora em defesa da tecnologia: a idéia de o chip ser subcutâneo é justamente para que não haja marca alguma de sua existência. A palavra marca diz tudo: será uma marca, uma tatuagem, uma cicatriz, qualquer coisa que o valha.
    Ademais, a Palavra nos diz que tal marca será um sinal específico do "Pé-de-bode", seu nome ou seu número. Ou seja, será feita especificamente com esse propósito. Quem imprimir a marca em si, o fará sabendo do que se trata. Claro, pode fazer isso sob engano, crendo se tratar de uma atitude positiva, mas será feito deliberadamente para isso. E o será feito por decreto.
    Se a colocação e validação do chip dos chucrutes for feita sob a pele apenas nas pessoas que tiverem feito previamente a marca ou enquanto estas são feitas, não sabemos. Talvez até lá essa tecnologia seja antiga e obsoleta, e todas as pessoas no planeta já a tenham implantada, antes mesmo de a Tribulação ter tido início.
    Estejamos atentos sim, mas aos temas e armadilhas que urgem atenção agora. Discordo veementemente da idéia de que corremos o risco de ir fazer um procedimento qualquer, experimental, de repente, e voltar pra casa com a salvação perdida porque era uma artimanha maligna e não sabíamos. Antes disso, saberíamos pelo Espírito e pela sua principal fonte de comunicação com os Seus: a Bíblia.
    Pra encerrar, mas crendo que abrirei ainda mais a discussão, Deus nos diz que a "Salvação vem pela fé, que é DOM DE DEUS, e NÃO por obras". Logo, a não ser Deus tenha se equivocado ao inspirar a Bíblia, não será a implantação de um chip ou de qualquer outra tecnologia que me fará perder a Salvação. No máximo, a ausência do Espírito (a inexistência prévia de Salvação, em outras palavras) me motivará a tomar uma atitude errada.
    Em Cristo,
    Rubens.

    ResponderExcluir